sábado, 1 de fevereiro de 2014

o beijo gay importa sim e o choro é livre

YEY

Finalmente esse show de horrores que foi essa novela Amor à Vida que durou exatamente sete séculos, cinquenta e três anos, quarenta dias e três horas acabou, tipo, agora. Hoje (sábado) vai ter reprise, se você quiser apreciar os vinte e quatro casamentos, dezenove partos e umas cenas aleatórias de draminha (não, os números não são exatos) novamente. Eu fico feliz que essa novela tenha acabado porque é só barbaridade e todas as retratações de qualquer coisa estão medonhas e problemáticas. Pessoas gordas? Retratação ruim. Pessoas autistas? Retratação péssima. E a lista segue. Aparentemente a novela tentou abordar romances proibidos por motivos religiosos, doenças como câncer e lupus, sei lá, um monte de coisa e, no final, o que mais fez foi espalhar desinformação e bagunçar o coreto.

Não, Walcyr Carrasco, você não foi perdoado.

Seguinte, primeiro que o beijo Niko/Felix não foi DECIDIDAMENTE NÃO FOI o primeiro beijo gay da TV brasileira. Primeiro porque a SBT já tinha feito isso com Amor e Revolução e a SBT fez um SENHOR beijo entre duas moças com direito à perna levantada e tudo, então militâncias LGBT: favor não apagarem a existência lésbica. Obrigada. Além disso já teve beijo gay antes, na TV Manchete, e foi entre um cara branco e um negro, apesar de que só mostra as silhuetas se aproximando etc. Mesmo assim. É relevante.

É que vejo algumas pessoas trabalhadas na vibe de "grande coisa, agora tem beijo gay" ou qualquer coisa do gênero. Ou gente que fica "até parece que muda alguma coisa, homofobia continua existindo". Meus amores, um chute no traseiro de vocês por não entenderem o porquê disso ser importante. Um tapa na cara de vocês e estou falando sério e "mimimi não seja agressiva". Eu não tenho mais saco de explicar A + B com delicadeza e florzinhas, então vai assim mesmo. É pra se sentir incomodado mesmo.

Acho que galera heterossexual não tem NOÇÃO da importância que é ter você mesma sendo representada de forma decente. Galera hetero está acostumada a ver casais heteros em todo o tipo de mídia. É o padrão em todos os lugares. Nos livros, nos filmes, nas novelas, nos videogames, TODO MALDITO LUGAR tem um casal hetero. Pessoas heterossexuais são o foco de todas as nossas produções e qualquer obra cujo foco não seja esse simplesmente recebe o status de "obra que fala de relacionamento gay". Nós somos aquela estantezinha no canto da livraria. Nós somos uma categoria. Romance. Fantasia. Terror. Gay. Vocês tem a droga da mídia inteira para vocês. Vocês tem revistas que ensinam como dar em cima do sexo oposto. As propagandas, as histórias, TUDO é sobre heterossexuais. E se caras gays são mal representados, imagine as lésbicas? Imagine os bissexuais? Imagine os assexuais? E vocês vem me falar que beijo gay não é importante? Vão se foder.

Sim, meus amores, ainda terão mil caras gays que morrerão assassinados por serem gays. Mulheres lésbicas continuarão a serem estupradas para "aprenderem" a gostar de "homem". E pessoas transgêneras continuarão tendo suas identidades confundidas com orientação sexual e continuarão a viver à margem da sociedade, e todo mundo continuará achando que bissexuais não existem (e eu sou o Bicho Papão, obg) e assexuais, né, continuará a soar como uma lenda nas nossas representações ínfimas. Sim, os nossos problemas continuarão. Sim, ainda falta um caminho enorme até, de fato, destruir todos os preceitos que estabelecem a clássica Família brasileira como a única correta e possível. Mas, meus amores, é motivo para comemorar sim.

E só pessoas heterossexuais não entendem isso.

Porque vocês não tem ideia. Vocês não fazem ideia do que é ver sua orientação sexual ser completamente ignorada em metade das séries, filmes e novelas e quando ela é citada, ela é motivo de piada, confusão, pilhéria e/ou a única coisa que define aquele personagem. Vocês não fazem ideia da falta absurda que faz para nós não ter personagens como nós. Vocês não tem a mínima noção de como é ridicularmente doloroso ter que assistir filmes que ninguém conhece para assistir sobre relacionamentos que você poderia ter e de como é medonho de que cada filme desses que chegue ao circuito mainstream (vide O Segredo de Brockeback Mountain) geralmente resulte em estardalhaço por parte da mídia, expressões de nojo da sua família e amigos quando assistem e, também, finais tristes. Porque é esse o final reservado à nós, pessoas que não são heterossexuais: geralmente a morte, a separação, o abandono. Mesmo em filmes do gênero, finais do gênero são recorrentes. Não, vocês nunca saberão a importância de ter um casal gay que dê certo e que se beije no final de uma novela das oito na Globo.

Não importa o que a gente pense da Globo e não importa que estejamos corretos. Eu sei que a Globo é uma merda. A novela inteira foi uma merda. Mas ainda assim é a Globo a emissora mais poderosa, e é a Globo que determina quais valores ela reproduzirá em suas obras. Não importa o quanto a gente odeie isso e desligue a TV, esse fato não deixa de existir. Então eu me importo. Eu me importo como essa emissora está tratando a homossexualidade. Eu me importo como ela retrata a bissexualidade e eu me importo se ela se preocupa em dizer se transgeneridade não é uma orientação sexual, e sim identidade de gênero. Eu me importo como mulheres e pessoas negras são representadas. Eu me importo com isso, mesmo não assistindo, porque minha mãe assiste, minhas primas assistem, meus amigos assistem, meus vizinhos assistem, o Brasil inteiro assiste.

E assim como a TV é um reflexo da nossa sociedade, ela também pode ajudar a modificar os nossos próprios comportamentos. Não se enganem vocês que esse beijo aconteceu porque Walcyr Carrasco foi um cara legal. Ele não é. Se ele fosse, pode apostar que teria acontecido séculos atrás, pode apostar que essa novela não teria um décimo de toda sua misoginia, transfobia, gordofobia, entre outros absurdos. Esse beijo aconteceu porque houve pressão popular. Não que a nossa sociedade esteja ~uau~ super à frente (se estivesse, eu não estava escrevendo isso). Mas porque aconteceu algumas coisas dentro da novela que motivou essa simpatia como:

a) Um dos personagens, Félix, era inicialmente o vilão que todo mundo amava (vale lembrar que ele soltava mil frases misóginas, transfóbicas, etc.) e ele obteve a simpatia de todo mundo. Então à medida que começou a pagar pelos seus crimes como o vilão, iniciou-se o arco de redenção: aquele arco de redenção que faz o povo torcer pro cara mau virar o cara bom.
b) Niko é um personagem visto como amorzinho, vítima de uma armação de uma personagem odiada pelo público (Amarylis), e também caiu nas graças do público.
c) A história dos dois então foi como se Niko fizesse Felix conseguir completar sua história de vilão se redimindo e, de boa, quem não torce por isso?
d) Os dois são caras, cis e brancos. E Niko ainda é visto como um anjinho. Bônus aparência para conquistar o público: 10/10

E os atores fizeram por merecer com suas atuações. Eles conquistaram MUITA gente e eu descobri que Brasil até que tem coração de shipper ;)
Mas voltando a falar sério:

A pressão popular para que o casal desse certo foi primordial. Sem isso, nunca teria acontecido.
E se nós conseguimos uma cena de beijo, nós conseguimos uma cena de sexo. Nós conseguimos que relacionamentos gays sejam vistos como naturais. Nós conseguiremos que pessoas bissexuais sejam retratadas de forma decente, assim como assexuais. Se tal pressão popular conseguiu fazer um autor misógino e escroto junto com uma emissora terrível veicular um beijo gay, nós podemos conseguir muito mais. Nós podemos conseguir representatividade em tantos níveis que eu não consigo nem imaginar: novelas com pessoas transgêneras sendo vistas como ~pessoas~ com sentimentos, mulheres gordas que não sejam ridicularizadas, tantas coisas. Esse avanço não é de Walcyr Carrasco. Esse avanço é nosso.

Somente conseguindo ter a nossa tão sonhada representatividade é que podemos conseguir desconstruir a ideia de que todas as pessoas são obrigatoriamente heterossexuais. Somente colocando personagens de diferentes orientações sexuais de novo e de novo e de novo em novelas e filmes e livros até que fique banal é que nós conseguiremos fazer com que as pessoas se acostumem com o diferente. Não é "esperando a sociedade brasileira ficar pronta" que nós vamos conseguir alguma coisa. É enfiando goela abaixo de todos vocês que a gente existe que nós vamos conseguir, um dia, sermos visto como gente. É insistindo e sendo chato mesmo que nós poderemos ser levados a sério. Soa agressivo? É para soar mesmo.

Nós existimos. Nós importamos. Eu quero ver casais gays porque eu tenho amigos gays e eu quero que eles se vejam na novela que assistem. Eu quero ver beijo gay, sim, e quero beijo, quero sexo, quero relacionamentos de todas as formas. Eu quero ver assexuais sendo retratados sem motivo de pilhéria e eu quero ver casais que sejam poliamor que sejam levados mais a sério. Eu quero ver mulheres como eu, mulheres que não são brancas e que não são heteros, como líderes de suas histórias, não como material masturbatório para caras. Eu quero ver mulheres transgêneras porque eu quero ver pessoas como minhas amigas lá, tendo suas histórias pessoais, sem serem piada porque minhas amigas não são piadas. Eu quero ver representação de todo tipo. É um passo? Sim, é. É pouco diante do que precisamos? Claro que sim. Mas deve ser ignorado?

Absolutamente não.
Diante de tantas notícias ruins... mesmo algo pequeno é motivo o suficiente para comemorar.

E se você não entende isso, bem, o choro é livre.
comemorando com essa fanart porque ela é tão AWNNN (foi feito pela pessoinha dona do tumblr Kury Harune)



5 comentários:

  1. Clap...Clap...Clap ---> Sou eu batendo palmas em câmera lenta pelo texto que contém tudo que eu queria dizer mas não tenho capacidade. Muito Obrigado!

    ResponderEliminar
  2. Sintetizou tudo que eu queria dizer. É uma vitória importantíssima, que não dá pra descrever num simples comentário no blog. Mas Walcyr Carrasco e a Globo não merecem ser parabenizados por nada.

    ResponderEliminar
  3. " Mas, meus amores, é motivo para comemorar sim.

    E só pessoas heterossexuais não entendem isso."

    Eu concordo com cada linda do seu texto... mas infelizmente não acho que a incompreensão da importância dessa cena seja exclusividade das pessoas hétero. Vi (não muitos, é verdade, mas alguns) posts de páginas e pessoas que ~oficialmente~ lutam pela causa LGBT fazendo comentários do tipo "a globo transmitiu um beijo gay, selinho, entre homens brancos, grande coisa... quando acontecer algo grande, me avisem". Pra pessoas que são parte de grupo, que, como você descreveu tão bem no seu texto é esquecido, excluido, tratado como uma categoria especial, isso É SIM grande coisa. Foi entre homens cis, da classe média, brancos, que cativaram o publico? Sim, mas foi no horário nobre da nojenta Globo, e se pessoas que passam a vida sofrendo pela pouca (ou nenhuma) representatividade que tem não conseguem entender isso, parece até mais difícil convencer do contrário os tantos héteros que tem essa mesma opinião ridícula.

    Em tempo: pra incentivar o Walcir a colocar a cena no ar, o Manoel Carlos se comprometeu a colocar (uma? algumas? não sei) cena do casal lésbico da próxima novela se beijando tbm... agora é cobrar pra acontecer! =]

    ResponderEliminar
  4. Acho que uns dias depois que acabou essa novela, eu estava conversando com uma pessoa pessoalmente e de repente ele pediu licença pra atender o telefone e começou a falar sobre o fim da novela (eu não assisto e não entendo nada, mas sabia o que havia acontecido pois foi divulgado em várias mídias e tal), ela já começou falando assim: "Tu viu a nojeira na tv fulana? Essa Globo está uma podridão! Coisa nojenta rapaz, quase vomitei vendo aquela imundice, desliguei minha tv na hora!" Quando eu ouvi isso fiquei pasma, eu já sabia que se tratava do tal beijo por que a pessoa é evangélica, mas já tinha ouvido essa mesma pessoa falar algumas semanas antes que não tinha ódio dos gays, mas ela continuou falando: "Se isso acontece comigo meu Deus, se isso acontece na minha família, tá repreendido, eu não sei nem o que faria meu Deus!" e depois disso a pessoa começou a chorar e gritar "Maldita seja essa Globo!", gente eu fique tipo, com medo né, nossa a pessoa ficou super alterada! Eu me pergunto como ainda tem gente assim no mundo, gente que se incomoda com a forma que os outros encontram de ser feliz mesmo que eles não estejam gritando na sua janela ou ouvindo música alta!

    E o seguinte eu sou hétero e entendo sim a importância do que vc falou, mas você devia entender que as coisas estão começando a mudar agora, as poucos vem sendo inserido na tv de forma correta "a notícia" de que ser gay não é anormal. Acho que o seriado Modern Family mostra isso de forma perfeita sem ser forçado, poderia ter mais coisas desse tipo na tv aberta, mas é ter paciência e ir com calma ou vai terminar gerando mais ódio ainda nas "pessoas de mente fechada".

    Quem não que ser generalizado não generaliza...

    ResponderEliminar

Se você for amor, tome um chá, sente no sofá, tire uma soneca, fique à vontade que a casa é tua. Se você não for amor, inclusive sendo homofóbico, misógino, transfóbico, racista, etc., eu excluirei sua postagem. Sim, porque aqui é ditadura da minoria e as pessoas que me amam e/ou me lêem não são obrigadas a lerem sua merda. Então pense duas vezes :)