sábado, 24 de agosto de 2013

Cidade das Cinzas: feito para fangirlizar, não para ser o novo Crepúsculo


2013 | USA / Alemanha | Dirigido por Harald Zwart 

Sim, I know, tem assuntos mais sérios para tratarmos. Mas essa foi a semana do meu aniversário e eu acho que mereço posts felizes no meu próprio blog também (\\^o^//). Não que eu queira me justificar, até porque esse blog é meu espaço para postar absolutamente qualquer assunto. Mas eu quero muito acrescentar que por mais que eu ame (e realmente amo) toda essa atenção que meus textos tem recebido e recomendados em diversos portais e tudo o mais, é extremamente desgastante emocionalmente escrevê-los. Porque eu sempre escrevo sobre as mesmas merdas e NUNCA. MUDA. É um eterno dejá vù e, bem, se tá ruim pra mim com meus privilégios, imagina para quem não os tem.

Então, para comemorar meus vinte aninhos, eu assisti o filme Cidade dos Ossos, da série The Mortal Instruments, escrita pela Cassandra Clare. Digamos que li todos os livros dessa série que já foram publicados no Brasil, e também os livros Anjo Mecânico e Princesa Mecânica, também de Cassandra Clare. Eu tenho os três primeiros livros de TMI e eles não estão aqui comigo, mas vou apenas dizer: eu sou fangirl dessa série. É óbvio que tem pontos problemáticos e esquisitos, mas continuo fangirl. Eu também assisti Pacific Rim (Círculo de Fogo) essa semana, mas tenho apenas alguns comentários a fazer sobre esse filme que são:

1) Faltou mulher. Houve duas personagens femininas, uma que mal aparece e a outra com bastante relevância, quase protagonista. Ela teve uma história legal, NÃO É BRANCA (japonesa com duas mechas azuis, super estilosa), um desenvolvimento decente além dos clichês e sobrevive sem estar atrelada ao cara mocinho do filme. Curti ela. Mas ainda queria mais mocinhas <3
2) EFEITOS AWESOME. Gente, vejam no cinema, porque SÉRIO robôs e monstros se matando é realmente algo legal para se ver numa tela imensa. Sério. <3
3) Eu aceito fanarts e fanfics dos dois cientistas do filme, porque estou shippando muito eles. Bj.

Vou logo avisando que eu não sou crítica de cinema, odeio críticas de cinema e não costumo dar o menor valor para as críticas de cinema. Sou parcial e solto spoilers. Muitos spoilers. Spoilers everywhere. Então não leia isso aqui se você não curte spoilers.

Eu gostaria de observar que o filme é feito sob medida para agradar ao seu público-alvo: garotas adolescentes. Então quando baixa uma galera meio que pseudo intelectual todo ESSE FILME É O CLICHÊ DO CLICHÊ FEITO PRA GURIZADA DE CREPÚSCULO, eu queria lembrar que isso não desqualifica o filme. Cidade dos Ossos não foi feito para ganhar Oscar. Cidade dos Ossos foi feito para alimentar as fangirls e fazer sucesso nessa vibe, aka Crepúsculo, Jogos Vorazes, Harry Potter, Percy Jackson, entre outros. E, sim, a história em si recebe uma influência de Harry Potter, por exemplo (ainda mais porque Cassandra Clare era escritora de fanfics de Harry Potter, tendo escrito a célebre série de Draco Veritas), mas isso não deveria ser usado para desqualificar a série.

BUT OS PONTOS QUE EU CONSIDEREI RELEVANTES:
(spoilers começam aqui)

1) WHAT. THE. HELL. VALENTINE.? Quem foi que montou o visual dele? REALLY. As trancinhas aleatórias não ajudaram em sua cara de mau. Aliás, Valentine totalmente não pegou como o vilão da série, nem como o papai fofo, nada, nadinha. 

SEM ESTRUTURA PARA A DIFERENÇA DRÁSTICA DO VALENTINE DO LIVRO PRO FILME
 2) Alec: totalmente não aprovei. Alec é um personagem forte e merece mais do que ser retratado como o "amigo gay que tá de recalque com a mocinha porque ela pega o cara e ele não". Porque foi a impressão que deu e Alec é mais do que isso. Além do fato de que o ator que interpreta Alec tem 28 anos de idade, o personagem tem 17 e a série tem fucking seis livros. A menos que façam todos os filmes em velocidade recorde, então teremos o personagem de 17 anos sendo interpretado por um cara que tem quase quarenta anos. Nada contra, mas NÃO VAI CONVENCER. Já não está convencendo agora, que dirá daqui a alguns anos. Eu realmente fiquei desapontada nesse quesito, porque Alec é um dos personagens que eu mais gosto e eu aprecio bastante seu desenvolvimento, principalmente em relação à própria homossexualidade e seu enorme senso de família.

3) Os atores que fazem Clary e Jace: vocês fizeram certinho. Eu estava com esperanças negativas (really) porque fiquei toda "NO CREO QUE ELES SERÃO CLARY E JACE NO WAY", mas me convenceram. É óbvio que poderia ser diferente e totalmente acho que outros atores poderiam ter feito melhor e tudo o mais, mas eles fizeram o melhor que podiam e fizeram direitinho. Acho que convenceram e, o mais importante, tiveram uma química legal entre eles. Há momentos de canastrice, porque nada é perfeito, mas eu perdôo porque filme para ser fangirl sem canastrice não é nem um filme apropriado para fangirlizar decentemente. Tem que ter alguma coisa risível na atuação ou no cenário ou nos penteados ou no roteiro, é pré-requisito praticamente.

nem sou das que gosta muito do casal, mas ESSE GIF <3
4) MOMENTO QUE AS FEMINISTAS FICAM TENSAS: quando Clary veste as roupas de Isabelle (porque vão para uma festa) e ela mesma faz um slut-shaming com a roupa, dizendo que é "roupa de vadia". Alec a ajuda, comparando-a com uma prostituta. Felizmente aparece Isabelle toda "VOCÊ ESTÁ FALANDO DAS MINHAS ROUPAS!!!" e ela é retratada de forma positiva no filme, como uma guerreira bem ativa, de modo que o que ela diz tem um peso bom. Jace, mocinho da série e etc, diz à Clary que ela está linda. No livro, não lembro como rola, mas é por aí. Isabelle, inicialmente, deixa Clary desconfortável, mas elas vão aprendendo a se respeitarem e a se tornarem aliadas. E o slut-shaming de Alec foi desnecessário, porque ele só disse isso em função dos ciúmes que sente por Jace, considerando que roupa por roupa, são roupas da irmã dele que ele ama e respeita. Porém, fico feliz que nos livros Isabelle seja retratada decentemente como uma guerreira que transa quando quer, se quiser, e usa as roupas que quer. Sua força não é posta em dúvida, e ninguém a desmerece por isso.

5) Simon: ele é o típico personagem nerd que gosta da melhor amiga e não é correspondido, e pior: passou a vida todinha lá amando Clary e ela vai lá e se interessa pelo Jace todo fodão etc. Tem uns momentos mimimi que ele fica super tristinho de "ESTIVE SEMPRE AO SEU LADO" e mimimi "EU ODEIO ELE", etc. Mas, olha, friendzone é babaquice e Simon amadurece. No final do filme, ele está lá dizendo pra Clary que está tudo bem, tudo de boa, etc. Nos livros, ele demora um pouco para superar, mas, olha, SUPERA. E em nenhum momento dos livros, que eu me lembre - pelo menos - ele critica ou julga Clary por ela não se interessar por ele na mesma medida. É óbvio que ele está triste, mas ao longo da saga, ele chora um pouquinho, supera, ajuda Clary quando der e tem o seu próprio plot que é bem decente, por sinal, mesmo sendo um pouco what-the-fuck, na minha opinião.

6) Spoiler do spoiler pra quem nunca leu os três primeiros livros: eu particularmente acho que a série se estragou no momento que Cassandra Clare resolveu colocar o elemento de "PEGADINHA DO MALANDRO, JACE E CLARY NÃO SÃO IRMÃOZINHOS RISOS". Ao meu ver, o plot deles serem irmãos e ainda assim estarem completamente apaixonados um por outro era, tipo, a melhor coisa dessa série. Aí Cassandra Clare foi lá e jogou um balde de água fria na minha pessoa. Apenax: desapontada. Mas você não precisa ler os três livros para saber disso, apenas assistir ao primeiro filme e prestar atenção em absolutamente todas as frases (e foi o que eu nem fiz, só percebi que o cara deu a dica depois). Provavelmente foi para agradar produtores e mimimi, mas acho que: a série virou best-seller sem precisar disso. O filme não precisava disso também. Romance em historinha adolescente é para ter alguns obstáculos e o filme já os eliminou de primeira, só falta os personagens saberem disso. Para gente, não há mais obstáculos, apenas a expectativa de que um dia eles saibam que não são irmãos e "podem" ficar juntos. E expectativa por expectativa... bem, tem outras coisas mais legais de se acompanhar.

"Deixe eles pensarem que são irmãos. Eles irão rir disso um dia"
fonte: um tumblr aí
 7) Essa não é a série mais revolucionária de todos os tempos, mas: parem de acusar a série de plágio de Harry Potter: Cassandra Clare ESCREVIA FANFICS de Harry Potter. É óbvio que a saga recebe zilhões de influências de Harry Potter, assim como qualquer saga de fantasia de adolescente que veio depois que Rowling começou a publicar as aventuras do Trio Dourado. Mas Rowling não inventou o gênero fantástico, não inventou as criaturas fantásticas e nem mesmo inventou a clássica Jornada do Herói. Rowling não inventou a roda, caras. Também não forcem a barra dizendo que The Mortal Instruments parece ser um plágio de Crepúsculo. Stephenie Meyer também não inventou os mocinhos sarcásticos que parecem anjos e suas mocinhas que "não-tem-nenhum-atrativo-mas-omg-atraem-um-cara-muito-gato". As críticas de cinema desqualificarem o filme porque "oh é muito Harry Potter ou Crepúsculo" pressupõe que essas obras sejam originais e seus conceitos idem e apenas: NÃO. Se querem parecer um pouco mais sofisticado, por favor digam que o plot do incesto remete totalmente ao Star War e então todos acharão você um nerd muito inteligente, exceto eu.

8) Tem galera comparando à Dezesseis Luas, mas olha: Dezesseis Luas é 100% uma bosta. Cidade dos Ossos não.

9) Magnus Bane: <3

10) Sim, isso é uma resenha de filme escrita por mim. Para vocês verem o porquê que não posso ser crítica de cinema. Tipo, nunquinha.

No geral, darei três estrelas em cinco. Assim, se você está querendo ver um filme top em efeitos especiais, por favor desvie a rota e assista Pacific Rim. Cidade dos Ossos não tem exatamente os melhores efeitos do mundo e chega a ser um trash em alguns momentos (mas duvido você conseguir juntar um monte de plantas + efeitos especiais + romance sem soar breguíssima pra caramba), mas, olha: VALE A PENA. Se você for uma pessoa que gosta do gênero, obviamente. Se você acha que todos os filmes baseados em livros adolescentes são ruins, novamente: vá assistir Pacific Rim. Ou qualquer outro filme.

Deixem a galera fangirlizar em paz. 

MAGNUS BANE <3


1 comentário:

  1. Não acho que o problema é o fato de ser um filme pra alimentar as fangirls, acho que o problema é que ele se propõe a ser só isso e mais nada. As pessoas que fazem esse tipo de filme podiam entender que dá sim pra fazer um produto de mais qualidade e continuar agradando a fanbase, sem precisar se acomodar no óbvio. Harry Potter conseguiu fazer isso. No mais, não conheço os livros, mas pelo que vi no filme ele tinha potencial pra ser muito mais do que foi. Eu senti que boa parte dos personagens poderia render muito mais do que renderam. Muita coisa mal explicada e mal desenvolvida. Tenho certeza que muitxs fãs adoraram o filme (alguns não, minha namorada amou o livro mas detestou a adaptação), e ele foi exatamente o que elxs esperavam. mas será que elxs não mereciam algo melhor?

    PS1: Ah, e não acho em nenhum momento que é plágio de Harry Potter ou de nenhuma outra saga que eu conheça. Não é nem como se Harry Potter não se inspirasse em nada né? (gandalf mandou um abraço pra dumbledore)

    PS2: To super arrependido de não ter ido ver Pacific Rim. Todo mundo falou tão bem...

    ResponderEliminar

Se você for amor, tome um chá, sente no sofá, tire uma soneca, fique à vontade que a casa é tua. Se você não for amor, inclusive sendo homofóbico, misógino, transfóbico, racista, etc., eu excluirei sua postagem. Sim, porque aqui é ditadura da minoria e as pessoas que me amam e/ou me lêem não são obrigadas a lerem sua merda. Então pense duas vezes :)