quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

10 tipos de pessoas com as quais sou preconceituosa.

Hi! <3
Sabe, pessoas presumem que eu sou isenta de preconceitos por ser uma feminista. O negócio é que todo mundo se acha livre de preconceitos, porque não odeia negros ou gays, ou qualquer coisa do gênero. Mas o preconceito é algo que está na nossa humanidade e por mais que não sejamos preconceituosos com uma determinada classe de pessoas, sempre somos com outro tipo de pessoas. Não é nem questão de "ser natural, não adianta lutar contra isso". É questão de que existe e não dá para ser hipócrita, então o melhor a fazer é reconhecer que eles existem e fazer o possível para que eles não atrapalhem sua vida.

Bem, é o que pretendo fazer agora. Enumerar as classes de pessoas com as quais eu tenho algum tipo de preconceito, sendo mais honesta possível comigo mesma e com vocês.

#1. "Eu escolhi esperar" / "Princesa do Senhor" / variantes

Eu tenho um e n o r m e problema com religião, principalmente as grandes religiões monoteístas e, de todas, a cristã é a que mais me irrita, porque eu vivo em uma sociedade cristã e direitos básicos me são negados por causa dessa merda de bancada cristã que domina o Planalto. Eu acho um absurdo que a cada caso polêmico que aconteça nesse país, alguém pergunte a opinião do bispo como se a opinião dele valesse cinco centavos. Me sinto violada de muitas formas ao ver o cristianismo no poder no nosso mundo. Então eu realmente tenho um preconceito enorme com essas pessoas que compartilham imagens de tiaras cintilantes como "Sou uma princesa do Senhor" e pregando a abstinência sexual como algo sublime que faz delas pessoas superiores. Eu odeio essas postagens, então eu bloqueio todas as pessoas que postam algo do gênero, por mais que eu saiba que essas pessoas são legais e tudo o mais.

Além do mais, eu (pessoalmente, só euzinha, opiniãozinha insignificante e particular) considero que uma pessoa que fique postando sobre como ela escolheu esperar (com direitos a colocar isso no Twitter nas TTs do dia, com todo o orgulho do mundo) está mais querendo chamar atenção do que qualquer outra coisa. Sabe, ninguém quer saber se você resolveu não transar porque tá esperando o casamento. Ninguém quer ver seus argumentos grandiosos sobre a beleza da castidade, ninguém quer ver a sua camiseta de "castidade é possível", ninguém tem interesse em ver o quão santa e pura você é. Então se você é assim e é um dos meus contatos no facebook, saiba que, sim, eu te bloqueei na sua primeira postagem do gênero e não te desbloquearei. 

fonte: uma das páginas de Princesa do Senhor que existem aos montes
#2. Pessoas que consideram que Crepúsculo é um ótimo livro (tecnicamente falando)

Vale o mesmo para 50 Tons de Cinza.
É um dos meus preconceitos que era bem mais forte quando eu tinha uns 15/16 anos. Hoje eu consigo olhar para trás e rir do quanto eu queria tanto que Crepúsculo se explodisse. Eu entendo totalmente a fama que a série teve. Assim como eu entendo que 50 Tons de Cinza tenha feito tanto sucesso. Vocês se surpreendem tanto, porque é algo como "cara, isso é muito ruim, como fez tanto sucesso", mas vocês sempre se esquecem de que não é a qualidade que faz algo ganhar fama, mas elementos específicos que atingem o público-alvo em cheio. Eu acho compreensível que garotas tenham se derramado e desejado ardorosamente um Edward Cullen, assim como eu entendo que tanta mulher queira um Christian Grey para chamar de seu. E eu acho interessante observar como o fato de tanta gente amar esses livros, ignorando diversos pontos do machismo, stalkerismo doentio, obsessão e uma espécie de amor que é mais patologia do que qualquer outra coisa diz muita coisa sobre a sociedade em que vivemos.

Eu não tenho um preconceito nenhum em pessoas ~gostarem~ de Crepúsculo. Não acho que deveríamos ser privados de gostar de algo, só porque esse algo não é exatamente uma obra-prima. Mas eu tenho um problema com essa galera que vem tentar provar por a + b que Crepúsculo é um ~excelente~ romance do ponto de vista literário, porque é mais do que amor pela série (que todos tem direito a ter), mas cegueira mesmo porque ignora diversas falhas da série. E é esse o maior problema. As pessoas assumem que se você gosta, então a coisa se torna automaticamente boa, mas isso não é verdade. Você gostar ou não é só isso: gostar ou não. E embora uma coisa ser boa ou não seja algo bem polêmico que varia muito de acordo com o ângulo, dá para analisar bastante coisa. O negócio é desligar o emocional e ser mais crítico de vez em quando.

Mas tá liberado gostar. Não que eu tenha esse direito/poder de liberar algo ou não.

impressionada pela coragem da moça, viu. fonte: esse blog aqui

#3. Orgulho Hetero / feeling foto de mulher pelada no celular / "sou macho"

Tenho mais que preconceito, tenho nojinho.
Uma galera que se preocupa em ficar marombadinha, ~catar~ mulheres, bla bla bla. Boa parte dos caras heterossexuais são exatamente dessa maneira e eu procuro ficar longe desse povo. E mesmo que não sejam exatamente caras jovens que querem transar com muitas mulheres, muitos homens são desse tipo. Eles dão um valor absurdo aos seus pênis, como se fossem os remédios de todos os males, como a ~falta de sexo das feministas~ e eu, sinceramente, só queria que eles morressem sufocados com o próprio sêmen de tanto se masturbarem com suas Playboys. Eu sei, é nojento, mas pessoas nojentas merecem mortes nojentas.

Se você curte o blog do Testoterona, Orgulho Hetero, Hipocrisia Feminista, Real ou qualquer merda desse gênero, seja homem ou mulher (suponho que pessoas fora do âmbito binário na divisão de gêneros se neguem a seguir essas pessoas), você está colaborando para que esses caras se multipliquem por mil e por mil novamente. Não perpetue. Não ajude. Não incentive que portais que agrupam esse tipinho continuem existindo. De todos os grupos até agora citados, é um que eu gostaria de observar a extinção absoluta. 

fonte: uma página nojenta no facebook que não linkarei para n estragar o dia de vcs

#4. Fanbase da Britney Spears

(esse post foi feito com trilha sonora de Britney Spears lol)

Britney Spears é legal, MAS a sua fanbase não. Não existe outra fanbase mais chata, insuportável, hipócrita e cega do que a de Britney Spears. Normalmente, as pessoas consideram que fanbase de Lady Gaga é um negócio muito louco, mas eu considero que boa parte dos fãs de Gaga tem, tipo, 13 anos e está se sentindo acolhido pela Mamãe Monstro (lol) para ser estranho e bizarro o quanto quiser. No geral, acho uma galera normal, com um gosto peculiar para o vestuário. E é fácil pôr-la no lugar, quando aparece um ser bizarro dizendo que Madonna é velha e caquética. Ninguém dá moral não, gente.

(nem me venham com o papo de Kelly Osbourne porque todo mundo sabe que ela é uma idiota. Não consigo me compadecer dos milhares de fãs a xingando diariamente, porque tô pouco me lixando pra ela)

Mas a fanbase de Britney é... maluca. De todos meus anos no meio das briguinhas e picuinhas entre fanbases do pop americano, eu só conheci uma ~única~ pessoa que era fã de Britney e era absolutamente normal, sensata e racional (e ela era fã de Christina Aguilera e Lindsay Lohan também, ou seja, fazia parte de ~três~ fanbases, duas em pé de guerra) e nem sei como ela anda hoje. Mas a bichinha sofria nos fóruns da vida, porque todos a consideravam "multifã" e, por isso, menos fã de Britney que deveria ser a única a morar no coração de todos.

Fanbase costuma ser, por característica padrão, cega. É normal. Todas as fanbases do mundo vão minimizar as falhas dos seus objetos de adoração, e intensificar as qualidades e sempre, SEMPRE vão querer sambar nas outras. Mas a fanbase de Britney consegue ser cega em coisas que ninguém consegue (o caso do playback, por exemplo), e consegue ser extremamente dois pesos e duas medidas. Coisas que valem para Britney não valem para outros artistas. Por exemplo, cansei de ver um britfan considerando Christina extremamente vulgar e apelativa, enquanto Britney era "sexy sem ser vulgar". Fora o machismo gritante da afirmação, é engraçado constatar que mesmo pelos critérios daquele britfan, a afirmação era uma mentira (se você for olhar toda a carreira de Britney, vai sacar que ela sempre foi a "princesinha sexy da América". Se você for olhar para a carreira de Christina, sempre vão falar primeiro da voz dela, e depois do resto). Mas eles simplesmente não enxergam coisas óbvias. Eu cansei muito disso, então me retirei dos fóruns específicos sobre Britney Spears e minha sanidade voltou ao normal. Os fãs dela continuam lá, se aglomerando e xingando qualquer um que ache que Scream & Shout de recalcado. É assim que eles são.

Não espere bom senso deles.

PFVR
#5. "Sou um floco de neve especial luminescente no meio de tantos flocos de neve cinzentos e tristes e manipulados!"

Saca essas menininhas que compartilham aquelas imagens de várias garotas que estão se maquiando e há UMA no meio de todas elas lendo um livro? Tem uma que mostra várias garotas e todas com "BITCH" na testa, exceto por UMA que está lendo. Tão nobre! Tão especial! Um floco de neve luminoso entre garotas perdidas e desvairadas se não fosse...
... todas elas postam a mesma coisa. Todas elas se consideram especiais e únicas. As únicas que não são vadias. As únicas que não ligam para maquiagem e cabelo (mas eu sei que vocês estão de olho nas dicas do blog Garotas Estúpidas). As únicas que, oh meldelz, gostam de LER! Vocês querem uma medalha dourada por isso?

Eu queria falar que é questão de idade, porque acho que todo mundo de treze anos tem direito de ser babaca. Mas não é, porque vejo meninas da minha idade ou até mais velha se achando floquinhos de neve únicos. Diferentes das ~piriguetes~. Bleh, vocês são todas iguais. Tenho um preconceito enorme porque junto com essa sensação de "sou diferente e sofro por ser diferente", vem um insuportável senso falso de superioridade no qual elas começam a achar que são de uma espécie evoluída espiritualmente que tem todo o direito de julgarem outras garotas, exercendo o conhecidíssimo slut-shaming e serem apenas pessoas babacas e nojentas mesmo. Aí só dá merda. 

fonte: Preconceitos do Dia a Dia


#6. "OS VALORES SE DETURPARAM MIMIMIMI HJ NÃO TEM MAIS ÉTICA NEM RESPEITO A SI MESMA"

E qualquer outra frase do gênero.
Minha vontade é de: pegar um livro de história bem grande (talvez um Crônicas da Vida Privada. Mas qualquer um tá valendo) e tacar com toda a força na frente da pessoa, mandando-a estudar história desde os primórdios da humanidade. E desafiá-la a achar QUALQUER período histórico em que nós víviamos em um lindo mundo cor-de-rosa, com unicórnios saltitantes, e aprendíamos a amar e respeitar e valorizar nossos pais apenas porque eles mereciam ser valorizados, não porque eles iriam nos bater com o cinto.

Quando alguém achar um período que a nossa história foi assim, eu quero ser informada. Aí vou dar moral pra essa galera chata, saudosista de uma época que nem viveu. Até lá, vou apenas olhar para essa galera e lembrar que a única vantagem era de que nas décadas passadas, eu não teria internet para ficar lendo as lamuriaçóes dessa galera que estaria infeliz do mesmo jeito. Mas não ter internet é uma desvantagem enorme, acho chato.

(filme ótimo que vi sobre essa coisa de supervalorização de um tempo passado é o Meia-Noite em Paris, de Woody Allen. Para vocês aprenderem que todas as épocas tem coisas especiais e coisas ruins que devemos sempre melhor!)

fonte: essas páginas do facebook de "Princesa do Senhor"


#7. "Conheci Paris, adoro dar uma passada em Milão e ver os desfiles, aaaamo fazer compras em NY"

A pessoa consegue meter todos os lugares que já viajou em um parágrafo quando sequer foi perguntada a respeito. A pessoa adora falar de Chanel e Dior, usa termos estranhos para comidas (quando ela ~sempre~ troca o substantivo pelo nome/marca, suspeite) e reclama da empregada que ficou doente e faltou... eu já sei que eu devo ficar longe da pessoa. Eu tenho problema com uma galera elitista que se considera superior por causa das roupas que veste, festas que vai, chocolates/quejos/vinhos que consome, restaurantes que visita, lugares que viaja, escolas que frequentou e bla bla bla.

Até porque a sensação de superioridade vem acoplado à ~grana~ e eu tenho um problema com essa galera que se vê num patamar acima dos outros por causa da grana, porque sempre vem um pacote inteiro de uma ideologia bem imbecil, plagiada da revista Veja e propagada aos quatro cantos que contém itens como "por um país mais cristão!", "vamos abolir o funk! esse barulho da favela!" e "o mundo pertence aos espertos! não dê o peixe pro cara, ensine o cara a pescar!". Geralmente vem junto uma supervalorização dos EUA que eu considero esquisitíssimo, porque eu acho o país muito esquisito, ou da Europa (nunca é um país específico, sempre é "amo a Europa") em detrimento do próprio país.

É uma galera que é um combo de diversos preconceitos que eu acho bem nojentinhos, então prefiro ficar longe dessa galera porque sei que não vai agregar nada na minha vida.

#8. "Unidos do Rock" / "o rock é o que salva o mundo" / "o rock é o único gênero decente"

Pff.
Eu tenho pena de gente assim, que vê o mundo da música como um imenso ringue. Que acha que determinados gêneros musicais são obviamente superiores aos outros, e que você escutar Pink Floyd faz de você uma pessoa iluminada e linda e maravilhosa. Quer um troféu, amigo? Eu dou chocolates também, se quiser. Eu acho engraçado como essas pessoas se preocupam tanto em afirmarem para o mundo inteiro que ~gostam~ de rock e sobre a superioridade inquestionável de Metallica e The Beatles, e adoram chamar qualquer coisa fora do ~rock~ de lixo.

Eu não tenho muita paciência com esse tipo de coisa, porque eu tenho um gosto musical bem variado, então tenho muito contato com diversas fanbases e as briguinhas entre uma e outra. As pessoas parecem achar difícil sair da própria zona de conforto, o que é algo que nunca compreendi. Nunca achei que ouvir Katy Perry fosse incompatível com ouvir Mozart, por exemplo. E eu acho que quanto mais as pessoas ouvirem de tudo e terem contato com músicas diferentes, mais saudável é para nós. E eu entendo que uma pessoa não queira sair do rock por ela se identificar apenas com ele, mas eu não tolero quando uma pessoa vem se achar superior por causa disso. Acho arrogante e extremamente grosseiro.

fonte: Preconceitos do Dia a Dia
#9. Gente intrometida e mal-educada.

Duas ou três semanas após meu namoro chegar ao fim, minha tia me apresentou a uma mulher que até hoje não sei o nome dela. Ela me apresentou como a "a que terminou o namoro" (para diferenciar eu da minha irmã, que está com o namoro). Me senti mega estranha, porque eu podia ter sido apresentada de muitas formas (Luna, a que gosta de desenhar, Luna, a que fica no pc, Luna, a que tá fazendo o IFBA, Luna, a mais nova, enfim). Mas fiquei de boa. Permito à mulher usar o meu computador para verificar os e-mails e então ela me pergunta porque meu namoro acabou e porque eu não ia voltar com meu ex.

A minha ex-colega de trabalho, ano passado, fez a mesma coisa: se sentiu extremamente ofendida quando eu disse à ela que o namoro acabou e me mandou voltar. Por algum motivo, o término do namoro fez com que aflorasse um lado que eu detestava nas pessoas: elas sentiam que podiam dar palpite na minha vida pessoal, sem nem me conhecerem. Nunca dei intimidade, nunca sequer conversei com elas sobre temas mais profundos que um "oi" e "tchau" e, no entanto, elas se sentem no direito de darem opinião sobre o que eu deveria fazer com a minha vida. Não é basta intromissão, é falta de educação.

E as pessoas fazem isso o tempo todo, especialmente com minorias sociais. Quando uma pessoa pergunta à um homem transexual se ele tem um pênis ou uma vagina, ele está sendo extremamente grosseiro. Quando um anon misterioso envia asks para uma garota como ela transa com mulheres e se ela é lésbica porque ela nunca achou um cara que "fizesse direito", ele está sendo invasivo e pedante. Quando uma pessoa chega para mim e dá uma opinião absolutamente irrelevante que não foi pedida sobre a minha vida, eu quero chutá-la tão forte que ela aterrisaria na China. Não sejam assim.

#10. Gente que leva a Veja a sério.

Sem comentários.
A Veja é uma piada. Logo, gente que leva Veja a sério, como uma revista séria e cheia de credibilidade, é também uma piada. 

MAS A VEJA É UMA REVISTA SUPER SÉRIA!!!!
tá bom, tá bom, continue falando
→ E são só dez. Pensando, achei mais uns dez e eu nem falei de como tenho uma antipatia enorme dessa galera que fica toda na vibe de "sou nerd, assisto The Big Bang Theory", pfvr.

5 comentários:

  1. Tô contigo, Wiseong. Em especial quanto aos itens #5 e #6 lol ////preconceito

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos detestam o #5 e #6 hahaha
      Eu sabia que você concordaria, nós somos preconceituosas juntas <3

      Eliminar
  2. Eu não mudaria absolutamente nesse post, nossa, tenho muito nojinho desses tipos todos i.i
    Fanbase da Britney é uma coisa bizarra, outro dia mesmo um fã começou a surtar pq eu falei que achava ela péssima (pq ele perguntou).
    Acho que o maior problema das pessoas é não aceitar as diferenças --' Parece que querem transformar tudo em competição e mostrar como são melhores :T

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, você conhece meu blog! hahaha <3
      A fanbase de Britney é realmente bizarra... está proibido não achar que Britney é a Rainha do Pop Absoluta perto deles! Eles realmente sabem fazer um belo drama ao verem suas opiniões contestadas...

      Sim, é como se fosse uma eterna competição para se diferenciar e ser o mais especial, com os mesmos velhos estúpidos pensamentos sobre a sociedade. Acho deprimente de lidar com gente assim.

      Eliminar
  3. Tudo bem, as pessoas exageram e elevam as suas preferências ao auge, parecendo obrigar os outros a gostarem delas, transformando isso numa modinha insuportável ( como eles fizeram com os nerds, os óculos, os seriados e quase com os zumbis), mas acho que não deveríamos sentir preconceito pelo que os outros gostam. Gosto a gente não se discute. Tem gente que gosta de Calipso, outros de Britney, não é questão de preconceito.

    ResponderEliminar

Se você for amor, tome um chá, sente no sofá, tire uma soneca, fique à vontade que a casa é tua. Se você não for amor, inclusive sendo homofóbico, misógino, transfóbico, racista, etc., eu excluirei sua postagem. Sim, porque aqui é ditadura da minoria e as pessoas que me amam e/ou me lêem não são obrigadas a lerem sua merda. Então pense duas vezes :)