segunda-feira, 22 de abril de 2013

Semana 7 - Eu sempre...

EU SEI.
EU SEI QUE TÔ HÁ DIAS SEMANAS MESES SEM POSTAR NADA.

E eu sei que quando até UM CERTO AMIGO MEU DIZ "Você não posta mais nada. Fim da reclamação", É QUE A COISA TÁ FEIA. Desculpa. Desculpa de novo!!!

Voltando com o meme da segunda-feira, que é o título lá em cima, super maravilhoso, é de coisas que eu sempre [insira condição aqui]. Isso é mais difícil do que parece, porque acreditem ou não, eu sempre mudei de gostos (por exemplo, eu nem sempre gostei de Harry Potter, nem sempre gostei de fanfics, nem sempre gostei de pop, etc) então vamos lá. Eu sempre...

 #1. ...gostei de quadrinhos.

Taí. Algo que nunca desgostei em toda a minha vida. Vejam bem, eu não sou dessas que leu HQs quando criança por motivos de: ninguém me deu uma HQ quando criança. Mas eu li tirinhas, muitas e muitas e muitas tirinhas até tal ponto que eu passei a sonhar em virar cartunista (e alguém estragou meus sonhos dizendo que ser cartunista não era sobre saber desenhar, mas sobre saber contar uma piada e, bem, eu não sei contar piadas nem se a minha vida dependesse disso, então). Calvin e Haroldo, Mafalda, Hagar são personagens que fizeram parte da minha infância e continuam fazendo parte da minha vida. Eu já li TODAS as tirinhas de Mafalda (sério, todas). Já li TODAS de Calvin e Haroldo. E releio novamente, quantas vezes for necessário.

Eu gosto de histórias em quadrinho mais complexas (e quando criança, história complexa, pra mim, era Witch), especialmente mangás.
E quando eu conheci Sandman, passei a gostar muito, muito mesmo. No momento, estou esperando me mudar para Juiz de Fora para ler absolutamente tudo o que eu puder encostar de Sandman porque a minha amiguinha que será colega de quarto levará suas HQs de Sandman que custam caro, muito caro pros meus bolsos e, juro, sou a pessoa mais feliz do mundo só de pensar nisso <3

aproveitando o momento pra dizer que esses desenhos são feitos por Caroline Jamhour que é uma linda que faz ilustrações e quero ESSA almofada com um dos desenhos dela. todo meu amor pra quem me dar uma dessas.
 #2. ...gostei de coisas relacionadas ao esoterismo.

Fadas, elementais, bruxas, espíritos, duendes, gnomos, silfas, ninfas, etc, etc, etc.
Sempre tiveram um espaçozinho reservado no meu coração, nos meus desenhos, nas minhas histórias. Eu já fui praticante de wicca por um período e meu ateísmo foi lá e tomou o lugar. Mas o fato de eu não acreditar em nenhuma entidade sobrenatural que vigia pela minha alma não me impede de gostar dessas coisas todas. Eu sou daquelas pessoas que gosta de falar de astrologia, que sabe o seu mapa astral de cor e salteado, que é louca por desenhos de fadas e bruxas, que ama lendas antigas.

Um dia que eu for escritora e ilustradora, vocês vão perceber que meu trabalho vai refletir muito desse gosto, porque eu acho lindo, acho mágico, acho um outro nível de beleza. Eu ainda tenho um livro sobre ser wicca com diversos feitiços e rituais que pretendo guardar para futuras histórias, e pretendo expandir mais ainda meu conhecimento dessa áre :)

todo mundo gosta de compartilhar essa imagem como algo "triste". essa imagem é muito eu, mas não é triste. é que estou constantemente pensando em um novo plot para uma nova história e por aí vai. vocês não merecem saber disso tudo, sério.
 #3. ...criei histórias do nada.

Eu podia nunca saber qual seria a minha profissão "principal". Já pensei em ser estilista, jornalista, professora de história, etc. Mas eu nunca pensei em outro futuro para mim que não fosse escrevendo. Eu não pensava em ser uma escritora, porque não queria que meu maior prazer se tornasse obrigação, mas hoje vejo que é possível viver sendo escritora e ilustradora, entre outras opções. Não que eu seja a maior literata do mundo, mas literatura sempre foi o que me definiu. Além disso, eu sempre tive uma enorme compulsão por criar histórias. Eu lembro da minha pessoa com sete, oito anos criando personagens, com suas famílias, árvores genealógicas, fichas psicológicas que combinavam com seus signos que combinavam com suas datas de nascimento. Eu gostava de criar mundos inteiros, e de pegar contos de fada e contar a história de um personagem secundário (em uma ocasião por exemplo, eu viajei na maionese e criei a história todinha dos pais de Cinderela até seu fim trágico).

Eu fazia plantas das casas de onde meus personagens viviam.
E isso é algo que posso dizer, concretamente, que sempre aconteceu. Não posso dizer apenas que "foi algo que te incentivaram" como acontece com seus gostos, porque minha irmã foi criada igualzinha à mim, com os mesmos estímulos à leitura, criação, artes e tudo o mais, e ela nunca foi tão pirada em criar histórias e personagens que nem eu.

(em contrapartida, sou extremamente tímida para mostrar minhas histórias livremente e nem linko as coisas pra vocês. Então cês se virem e achem elas - geralmente fanfics - por aí. Porque as originais mesmo, não mostro. Fica tudo no meu computador e vocês só vão ver quando um dia publicar um livro)

Esse desenho é do lindo maravilhoso digníssimo "A Fada Que Tinha Idéias", meu livro infantil favorito sobre uma fada que amava criar coisas coloridas e fazia assim mesmo, proibida pela rainha.
 #4. ...gostei de ler.

E, por motivos que fogem à minha compreensão, todo mundo sempre considerou que isso me transformava automaticamente uma garota esperta, inteligente e super sagaz. O negócio é que se eu não via muita TV e sempre detestei exercícios físicos (sim, eu era aquela criança chata que só brincava de pega-congelou porque aí eu torcia para ser pega, ficar "congelada" e NÃO ME MEXER!!! Quando era apenas pega-pega, eu inventava uma desculpa e ficava paradinha no meu canto), então livros sempre foram minha ocupação. Eu ainda tenho uns livros de quando eu era criança e que vou passar para a próxima geração, como A Fada Que Tinha Idéias (obra-prima primordial para crianças aprenderem que nunca devem deixar de pensarem por si próprias, mesmo que tenha uma rainha malvada não querendo que ninguém tenha idéias. Porque até a rainha aceita amor se você der coisas amor pra ela!) <3

E aos 8 anos, minha irmã começou a ler Harry Potter para mim (eu tinha medo de livros grandes sem ilustrações!) e, pronto, o resto foi fluindo tranquilamente.

Os Marotos em uma linda, sorridente e ensolarada versão. antes da tragédia toda.
#5. ...amarei Harry Potter.

Eu odeio os apelidos "pottermaniaco", "potterhead" ou qualquer do gênero. Eu tenho antipatia com apelidos para fãs, em geral. E quase sempre me irrito com o fandom de Harry Potter por ter muita gente que só sabe dizer o quão Harry Potter é maravilhoso e perfeito e sublime, e não consegue fazer uma crítica sequer à série. Eu gosto mais da parte do fandom de HP que é envolvida com fanfics, fanarts e um milhão de debates que vão além do canon que é oferecido pela Rowling.

O negócio é que Harry Potter foi minha vida e eu não posso evitar. Eu posso até detestar os filmes e xingar os produtores por todas as alterações, mas os livros são parte fundamental da minha identidade. Com eles, construí boa parte dos meus conceitos, tendo-os como ensinamentos para vida toda (ser Lufa-Lufa, por exemplo, não é uma questão de "qual sua casa preferida?". É uma questão de tudo que eu quero ser na minha vida), quando passei a amar personagens como se fossem pessoas reais, quando desejei realmente virar escritora só para fazer outra pessoa sentir com minhas histórias o que eu sentia com as histórias e como foi uma série longa que se prolongou por uns dez anos, posso dizer que passei boa parte da minha vida crescendo com os personagens, ansiando pelo próximo livro, me envolvendo em debates sobre o rumo e a personalidade psicológica de cada um, inclusive dos secundários - e isso é leitura de verdade. É leitura com interpretação dos fatos, é leitura com envolvimento emocional. Ler por ler não tem graça. E Harry Potter me fez ler sobre os mesmos personagens por anos por querer e isso fez toda a diferença.

(além do fato de que ainda amo o suficiente para ter um ritual de que todas as férias, tem a "semana de Harry Potter" no qual leio um livro por dia. Infelizmente, não o cumpro já faz um ano. Prometo me corrigir nas próximas férias! Mas estou relendo Harry Potter por agora. Sim. Uma semana antes de me mudar para Juiz de Fora, resolvo reler sete livros - mas isso é a minha vida, sempre foi.)

2 comentários:

Se você for amor, tome um chá, sente no sofá, tire uma soneca, fique à vontade que a casa é tua. Se você não for amor, inclusive sendo homofóbico, misógino, transfóbico, racista, etc., eu excluirei sua postagem. Sim, porque aqui é ditadura da minoria e as pessoas que me amam e/ou me lêem não são obrigadas a lerem sua merda. Então pense duas vezes :)