segunda-feira, 4 de março de 2013

Semana 1 - Coisas que me fazem ficar feliz:

Hi <3
Hoje resolvi começar o meme "52 semanas" que é basicamente um post por semana, no qual você faz um top 5 do tema proposto. Eu gosto desse tipo de meme porque você aprende a exercitar um pouco de disciplina na sua vida e porque evita longos períodos sem postar por falta de criatividade, então eu achei uma boa idéia. O tema da primeira semana é "coisas que me fazem ficar feliz". Eu achei um bom tema para se começar, porque eu gosto muito de falar sobre coisas boas e alegres. Considero que o mundo é tão triste e tão cruel que sempre é bom tentar manter as coisas boas ao seu redor e tentar espalhar mais amor por aí. Eu sei que é muito brega, bem feeling Harry Potter no qual Harry descobre que é o amor que é a sua proteção contra Voldemort, mas a verdade é que quando você é uma pessoa que tenta manter uma atmosfera de bondade, compreensão e respeito, as pessoas ao seu redor são afetadas por isso.

Mas deixando de enrolar e indo para o post, eu pensei sobre 5 coisas simples que me fazem ficar muito feliz. Coisas que parecem pequenas, mas que realmente me fazem ficar muito, muito contente e podem mudar o meu dia. E todas são coisas que podem se repetir na minha vida, seja uma vez a cada dois dias ou a cada rotação completa de Saturno, de modo que excluí tópicos como "passar no vestibular", "situações épicas" e coisas do gênero. 

perdi o link do post, mas é do tumblr yeeeap
 #1. Ver uma candid linda de Christina Aguilera

As pessoas podem não entender muito bem, porque boa parte delas não sabe o que é ser fã. Mas quem é fã (de qualquer artista) entende o meu sentimento. Quando eu estudava e trabalhava, era comum que eu chegasse em casa muito cansada e então acessar o ILoveAguilera e ver que havia uma candid dela, ou seja, fotos dela na rua, shopping, saindo de restaurante, qualquer coisa assim. Ver essas fotos, com ela sorrindo para os jornalistas, às vezes com seu filho Max, me deixa imensamente feliz. Eu amo saber que ela está bem, independente dos resultados das vendas ou das críticas que os jornais tanto fazem. Eu gosto de ver Max tão saltitante e carismático, eu gosto de ver Christina em seus mínimos detalhes.

Fico triste como mesmo fãs ficam tão preocupados se ela está gorda ou não, analisando tudo em tantos detalhes. Eu entendo que, nos tempos atuais, seja enervante ter um candid dela a cada dez alinhamentos planetários exatos e os candids não serem muito entusiasmadores com ela se escondendo no carro. Eu mesma fico muito frustrada com as notícias recentes e com os frequentes sumiços dela, mas o que eu posso fazer? Eu apenas espero pela próxima vez que ela sairá nas ruas, sorrindo, com os cabelos de alguma cor diferente e então eu sei que ela está viva e inteira <3
e eu esqueci a fonte dessa imagem socorro
#2. Ver casais dando certo

Se tem uma coisa que eu fico feliz de nunca ter sido é ter adquirido qualquer espécie de rancor por ver os outros se relacionando. Mesmo quando meu relacionamento que durou quase quatro anos acabou, eu nunca me permiti olhar para as outras pessoas e achar realmente que é um erro as pessoas se apaixonarem. Tenho a tendência de ser cínica e amarga sobre muitas coisas, mas só sobre mim. Mas quando eu vejo outras pessoas, especialmente se forem amigos meus, formando casais e estão bem naquela fase de apaixonados, eu fico muito, muito feliz.

Eu acho triste que tantas pessoas, estando solteiras, considerem insuportável ver outros casais, especialmente amigos, porque tem todo um sentimento de "por quê eles, por quê não eu" no qual a pessoa fica infeliz por estar solteira (que, na cabeça dela, é a mesma coisa que estar sozinha e deprimida). Mas eu prefiro ficar feliz por ver pessoas juntas <3

(isso não significa absolutamente que eu seja uma pessoa romântica ou algo do gênero. Eu não gosto muito de declarações públicas ou qualquer coisa que chame a atenção. Eu gosto de ver casais entrosados e bonitinhos entre eles, e é isso que me importa) 

não é bem essa a visão, mas dá pra ter uma idéia de como a cidade é. achei a foto aqui
 #3. Quando eu retorno de uma viagem para Conquista de noite e vejo os brilhos da cidade

Conquista nunca foi o meu lar. Isso é uma verdade que eu não posso negar. Mesmo que eu viva aqui desde os três anos de idade, não dá para eu dizer que essa cidade seja propriamente um lar, por motivos diversos. E toda vez que eu viajo para qualquer lugar, na maioria das vezes, eu retorno à noite. E você vê o céu lindo que essa cidade tem escurecendo, com todas as luzinhas. E é realmente lindo.

Para entender melhor, pensa que a cidade é como uma bacia. Então quando você se aproxima da cidade, na estrada, você pode vê-la toda. Com todas as suas luzes. E às vezes você pode até mesmo reconhecer os prédios. E estranhamente, é nesse momento que eu sinto que eu cheguei em casa.

um gatinho manhoso para me esperar em casa <3
 #4. Ter alguém me esperando em casa

Eu sei que é comum muitos adolescentes não entenderem bem esse ponto, porque nós vivemos com as nossas famílias e ansiamos por morarmos sozinhos. É algo compreensível e um dia eu quero viver sozinha. Mas, gente, eu passei a minha vida toda morando com, pelo menos, cinco pessoas. E então em 2010/2011 (eu não me recordo direito) eu me mudei para viver apenas com minha mãe e minha irmã. No último ano, minha irmã foi trabalhar em outra cidade e desde então eu vivo com minha mãe. Minha mãe trabalha à noite, então de vez em quando eu fico noites sozinha em casa. É algo que me acostumei.

E é algo que me fez valorizar completamente ter alguém te esperando em casa. Quando eu trabalhava e chegava seis e meia da tarde, eu gostava de ver que ela ainda estava em casa, com as luzes acesas e tudo o mais. Acredite, é um pouco depressivo estar tudo desligado e silencioso, sem alguém para lhe falar as coisas do dia. De modo que eu confesso que quando eu penso em morar sozinha, penso em ter gatos ou algo do gênero, apenas com o propósito egoísta de encher a casa com outras criaturas vivas e sentir que alguém me espera, nem que seja para dar a comida.

pra todas vocês, suas lindas (fonte: fuckyeahsubversivekawaii)
 #5. Quando alguém diz que eu a ajudei de verdade

(pronome feminino porque, até então, foram todas garotas)

Quando eu escrevia para a Descapricho, a gente recebia e-mails de garotas adolescentes. Às vezes elas desabafavam sobre os seus problemas. E eu gostava de responder às mensagens. Eu passei minha adolescência toda na internet, em fóruns de orkut, conversando com as pessoas. Eu não me importava se elas eram falsas ou não. Fazia questão absoluta de participar dos debates mais polêmicos, sobre aborto, religião, feminismo, política, etc. Enfim, gastei muito tempo construindo argumentos e conversando com pessoas.

Aí o tempo passa. E uma vez eu recebi um e-mail de uma garota me agradecendo, porque eu a ajudei. Porque eu a ajudei a se encontrar no ateísmo e feminismo, e toda uma série de coisas que me fez ficar realmente muito feliz. Ela foi uma das pouquissímas, mas eu gosto de lembrar o nome de todas as meninas que já comentaram comigo, casualmente ou não, de que eu as ajudei, nem que seja na briga. De que eu fiz alguma diferença na vida delas.

Então, todas as vezes que alguém diz que um debate na internet não muda nada, eu sempre lembro dessas garotas. Muda sim. Discordância gera conflito, e conflito pode gerar um diálogo, e diálogo pode mudar a cabeça de muita gente. Se eu tivesse ficado calada e tivesse decidido me manter feminista só para mim, eu nunca ia fazer diferença na vida de ninguém. Eu teria ficado na minha zona confortável. Mas eu não quero. Eu quero continuar fazendo alguma diferença, nem que seja mínima. E, obrigada a vocês, meninas que sabem quem são, por terem me dito isso. Obrigada por serem quem são hoje e obrigada por me darem força para melhorar a mim mesma <33

2 comentários:

  1. Adorei o post.
    É um assunto leve, mas me deixou com um quentinho meio agoniado no peito. Além do mais, simpatizei muito com esse top 5 e concordo em gênero, número e grau. (Talvez nem taaaaaaanto nos dois últimos, pq não são coisas que necessariamente aconteceram/acontecem comigo, mas né). E gosto muito da ideia de postagens fixas assim <3
    bjs, wiseong~~~~

    ResponderEliminar
  2. Eu também fico muito feliz vendo casais felizes, sempre fiquei, mesmo que em certas épocas eu me sentisse deprimida e sozinha, sempre consegui ficar feliz pelos outros ao invés de apenas sentir inveja, e tenho orgulho disso.

    "todas as vezes que alguém diz que um debate na internet não muda nada, eu sempre lembro dessas garotas. Muda sim." <333 Por ter um blog mais voltado para um estilo de roupa vira e mexe recebo e-mails de meninas que falam como meu blog as ajudou, mas o que me deixa feliz é que elas falam que foi não só com lolita, mas a se tornarem mais confiantes, e isso faz o meu dia.

    Eu também acredito que "ativismo de sofá" faz diferença. Podem achar que eu ficar compartilhando coisas sobre feminismo e ateísmo no facebook só enche o saco, mas pra mim se isso motivar UMA pessoa a pensar e a questionar mais já vale a pena. Só de eu ter argumentado sobre o por que eu era a favor do aborto na faculdade e ter mudado a opinião de 2 ou 3 pessoas pra mim já foi uma vitória. E aí, talvez, quem sabe, essas 2 ou 3 pessoas não mudem a cabeça de mais 1 ou 2, né?

    ResponderEliminar

Se você for amor, tome um chá, sente no sofá, tire uma soneca, fique à vontade que a casa é tua. Se você não for amor, inclusive sendo homofóbico, misógino, transfóbico, racista, etc., eu excluirei sua postagem. Sim, porque aqui é ditadura da minoria e as pessoas que me amam e/ou me lêem não são obrigadas a lerem sua merda. Então pense duas vezes :)